A crise desencadeada pelo coronavírus impactou fortemente a economia. Todos os negócios foram expostos às oscilações, especialmente as micro, pequenas e médias empresas. 

Se empreender é ter resiliência, devemos, então, repensar nossa atuação no mercado para encontrar novas oportunidades.

Enquanto alguns segmentos registraram uma queda brusca no volume de vendas, outros ampliaram a sua atuação. Supermercados, farmácias e entregas delivery são os mais comentados. Entretanto, outros setores também estão com alta procura. 

É por isso que nós precisamos ficar de olho no comportamento do consumidor, a fim de encontrar novas oportunidades de negócio.

 

Mudanças de comportamento

 

Em meio à pandemia, os brasileiros reforçaram suas compras de medicamentos e alimentos, assim como itens de higiene. Água, refeições prontas e produtos de limpeza também entraram na lista. 

Mas, mesmo antes do primeiro caso confirmado no Brasil, os consumidores já se precaveram. Segundo relatório da ABComm, compras online de medicamentos e itens de farmácia subiram 111% entre 24 de fevereiro e 18 de março. No mesmo intervalo, o setor de beleza e perfumaria (que inclui higiene pessoal), teve alta de 83%. Supermercadistas cresceram 80%, englobando alimentos, bebidas, higiene e limpeza. 

Em poucas semanas o comportamento dos consumidores mudou – e a tendência é continuar mudando. Por isso é tão importante conhecer os seus clientes. Todo perfil de consumidor possui medos, desejos, anseios… antecipar essas necessidades é o que garante a sobrevivência de uma empresa.  

Mas, não pense que tudo seus clientes precisam é álcool em gel. Além dos itens citados acima, muitos outros produtos são requisitados. 

 

Segmentos que cresceram durante a crise do coronavírus

 

Aplicativos de delivery 

Mais de um terço da população mundial está de quarentena. Para evitar sair de casa, muitos consumidores estão comprando pela internet. 

O Rappi, por exemplo, registrou um aumento de 30% no número de pedidos. 

Para minimizar os efeitos da crise, muitos bares, cafés e restaurantes adotaram os aplicativos delivery como parte de sua estratégia de vendas. 

 

(Foto: Carol Smiljan/NurPhoto/Getty Images)

 

eCommerce

O comércio online também cresceu expressivamente. Segundo a ABComm as compras pela internet dispararam 40%. Analisando setores específicos, a Konduto apontou um aumento de 643% no e-commerce de brinquedos e 187,90% em artigos esportivos. Veja levantamento completo

 

Plataformas de trabalho remoto

Com o avanço do trabalho remoto, a demanda por soluções inteligentes para integrar as equipes de trabalho subiu. 

Empresas de tecnologia especializadas em conferências virtuais, eventos online e comunicação digital estão cada vez mais requisitadas. 

Segundo a SEMrush, a procura pelo Zoom Communications, plataforma de vídeo chamadas, aumentou 50% entre 16 e 23 de março. Já o Slack, sistema de mensagens, o volume de buscas deve aumentou 71%. 

 

Exercícios em casa

A SEMrush também detectou um crescente interesse por exercícios em casa. O volume de pesquisas na internet por esse tema aumentou 70% em um mês. A demanda por yoga online registrou um aumento de 66%.

A indicação de muitos médicos é continuar praticando atividades físicas, mesmo dentro de casa. Por isso, muitos instrutores estão utilizando as redes sociais e outras plataformas para dar continuidade aos treinos de seus alunos. 

 

 

(Foto: Yogi Approved)

 

Educação

Em todo o mundo, cerca de 290 milhões de crianças e jovens estão sem frequentar a escola por causa da pandemia.

Para dar continuidade às atividades curriculares, alguns países estão adotando estratégias de educação online. A China criou uma plataforma nacional de ensino à distância, por exemplo.

Aqui no Brasil, muitas instituições estão disponibilizando cursos online – inclusive gratuitos. 

É o caso do Senai, que está oferecendo 12 cursos grátis com certificação

O Senac também disponibilizou cursos gratuitamente. Assim, como a FGV, que liberou acesso para 55 cursos

Seguindo este modelo, as instituições não apenas exercitam seu papel social, como também se aproximam da comunidade. A oferta de cursos online pode ser porta de entrada para novas matrículas. 

 

Jogos eletrônicos

Durante a quarentena, a indústria de games também está crescendo. Jogos online como o Fortnite e o Free Fire, estão experimentando um aumento no número de jogadores nos últimos dias. O motivo? Além de distrair e entreter, estes games promovem uma conexão social.

Em entrevista para o Meio & Mensagem, Tiago Xisto, CEO da equipe de e-sports Vivo Keyds, comenta: “Além de jogar, essa audiência adora assistir às livestream dos seus influenciadores favoritos”

As comunidades de jogadores também organizam seus próprios campeonatos, fortalecendo o senso de coletividade. “Neste contexto, existe um impacto social e psicológico muito importante já que as pessoas jogam interagindo com outras também conectadas, uma grande válvula de tensão e stress nesse momento de isolamento e incertezas”.

Confira a matéria na íntegra. 

 

Influenciadores

A pandemia também gerou especulações quando as mídias que seriam afetadas pelo isolamento social. Para suprir a necessidade de informação e entretenimento, criadores de conteúdo na internet apostaram em novos formatos, como transmissões ao vivo. 

Segundo a Squid, que é especialista em marketing de influência, houve um aumento de 24% na taxa de engajamento dos criadores de conteúdo e 27% no alcance do Stories no Instagram.

Houve também um aumento de 60% na procura por ações com influenciadores. Eles foram procurados por empresas de limpeza, higiene pessoal, alimentos, bebidas, delivery e varejo online. 

Em sinal de apoio aos pequenos produtores, influencers estão fazendo campanhas gratuitas

 

(Foto: Farknot Architect)

 

Clubes de assinatura

Entre os segmentos para apostar durante a crise do coronavírus, podemos apontar os clubes de assinatura.

Nessa modalidade, o cliente recebe todo mês, pelo Correio, produtos de seu interesse.

É possível encontrar no mercado uma grande variedade de caixinhas, que vão desde produtos coloniais, livros, cafés, vinhos, cosméticos e produtos para pets

Os clubes de assinatura já movimentam mais de R$1 bilhão por ano no Brasil. A Deloitte realizou uma pesquisa e constatou que, entre as gerações de consumidores, os millennials são os mais propensos a adquirir esse serviço. 

Nos últimos 4 anos, este modelo de negócios cresceu 167% no país, de acordo com a ABComm. Atualmente, existem 800 empresas em atividade neste segmento. 

 

Plataformas streaming

Em termos de tendências de tráfego online, os maiores serviços de streaming tiveram um aumento significativo.

De acordo com a SEMrush, as pesquisas pelo Disney+ cresceram 43,5%. Pela HBO 24%. O Netflix 18%.

 

Como contornar a crise

A pandemia do novo coronavírus não transformou apenas os fluxos de trabalho. Nossos hábitos de consumo, momentos de lazer, autocuidado e estudo também foram influenciados. Até mesmo nossas relações pessoais tiveram que se adaptar.

Tamanha mudança, colocou em risco a existência de muitas empresas. nesse caso, temos duas saídas:

Acelerar a criação de novos produtos e serviços, ou adaptar nossos negócios à nova realidade.

É fundamental que as instituições analisem seus produtos e serviços porque, daqui para frente, o comportamento dos seus clientes não será mais o mesmo. 

A McKinsey & Company, referência mundial em pesquisas de tendências, afirmou que a preferência dos consumidores passará por uma grande transformação após a pandemia. 

Veja:

Quem não comprava online está precisando comprar.

Quem frequentava a academia, agora precisa treinar em casa.

Logo, precisamos colocar o consumidor no centro das decisões.

Do que ele precisa?

Onde ele está conseguindo isso? 

Como podemos alcançá-lo?

Perguntas como essa devem fazer parte das discussões sobre qual caminho seguir.

Em momentos de adversidade como esse, sobrevivem as empresas que se adaptam mais rápido.

 

A ACP está a disposição para apoiar os empreendedores do Paraná nesse período instável. Dúvidas e sugestões podem ser encaminhadas para o comitê permanente da ACP através do telefone (41) 3320-2929 ou pelo e-mail [email protected]

 

ACP

ACP

ACP: há 129 anos conectando o comércio, a indústria e os serviços.

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.